Hospedagem web: hospedo meus blogs no Dreamhost e no MediaTemple (dica: desconto especial!)

Hospedagem de sites em provedores comerciais costuma ser uma boa opção para quem tem um projeto pessoal na web e pretende vê-lo se desenvolver – afinal há limites relativamente estreitos para o que se pode fazer em hospedagens gratuitas, e quando se sobe ao próximo degrau na escala e se passa ao modelo econômico de hospedagem em servidores compartilhados (em que um provedor lhe oferece uma parcela dos recursos, e uma área exclusiva, em um servidor web gerenciado por ele), as oportunidades se multiplicam e seu site pode crescer mais (até chegar a precisar subir o próximo degrau, sucessivamente).

E a quantidade de alternativas para quem busca uma hospedagem web comercial chega a assustar. Mas é possível recomendar várias delas, e quero começar o artigo sublinhando uma indicação para a Via Hospedagem, que tem planos pagos em reais, limites que atendem à maioria das necessidades dos blogueiros e criadores de sites, e atendimento classe A, em português.

Se eu estivesse começando hoje, consideraria hospedar na Via, mas entrei nesta estrada há mais tempo e minha opção foi diferente, ate porque eu “me viro” bem com as tecnologias da web, não encontro grande dificuldade com paineis de controle em inglês, e não me incomodo de pagar preços em dólares para serviços prestados no exterior.

Minha opção para projetos iniciantes, por US$9 ao mês

Desde 2005 hospedo meus projetos pessoais em crescimento (e o Efetividade.net já foi um deles, migrando para opções mais avançadas do Dreamhost enquanto crescia, até alcançar cerca de 25.000 visitantes diários e precisar mudar pra um esquema maior) no Dreamhost, um provedor de hospedagem web barato e que tem os requisitos que procuro – e que até para os meus testes é bem mais cômodo do que rodar meu próprio servidor Apache em um computador de casa…

O caçula entre os meus sites é o BR-Mac, no ar desde fevereiro do ano passado e hospedado no Dreamhost desde o primeiro dia. Hoje ele costuma ter cerca de 12.000 visitantes por dia, com picos ocasionais de 15.000, e o servidor (e o WordPress, e os outros sistemas envolvidos na hospedagem) nem soluça.

O Dreamhost tem planos de hospedagem compartilhada e de servidores virtuais "dedicados", e seus planos funcionam de uma maneira comum a vários outros provedores: não existem grandes limites de espaço ocupado (desde que seja por arquivos do site, e não por backups, repositórios, grandes arquivos hospedados para download, etc.) nem de transferência, mas se o seu servidor gerar picos de ocupação de memória ou processamento, sairá rapidamente do ar. Nada que preocupe a quem roda um WordPress bem configurado, mas pode ocasionar problemas em outras situações.

Ele permite que você hospede um número ilimitado de sites, domínios e usuários, e estes usuários (e você) podem ter acesso via SSH e FTP, contas de e-mail (POP, IMAP, SMTP e Webmail), hospedar um número ilimitado de bases de dados MySQL, e muito mais - sendo que boa parte das configurações são feitas por meio do painel de controle via web do Dreamhost.

A hospedagem web também é bem completa, com itens como

  • PHP, Perl, Python, CGI, Ruby on Rails, SSI, MySQL 5
  • Mail (IMAP, POP, SMTP, webmail, listas)
  • Instalação facilitada do WordPress
  • acesso completo à shell dos usuários (os servidores rodam Debian),
  • cron,
  • repositórios SVN e CVS para o seu site,
  • e muito mais.

Além disso, o usuário ganha grátis o registro de um domínio (.com, .net ou .org) ao contratar a hospedagem, e há instaladores automatizados para aplicativos populares como o WordPress, Gallery, ZenCart, Joomla, Moodle, dotProject, MediaWiki, Trac e outros que podem servir como a base para o seu projeto web.

Os termos de uso do Dreamhost são bem claros quanto ao que não é aceito: conteúdo ilegal, arquivamento e backups (exceto os 50GB explicitamente destinados para este uso), scripts que façam uso intensivo de CPU (por erro ou por características da própria aplicação – exemplo: clientes BitTorrent, proxies e bots de IRC, spamdexing, etc.), entre outros – recomendo a leitura atenta dos Termos de Serviço se você tem dúvidas sobre a natureza da sua aplicação em relação a eles – mas serviços baseados em aplicativos conhecidos (como o WordPress, MediaWiki, Joomla, Moodle e similares) ou em páginas HTML geralmente não precisam de muita preocupação, a não ser que o número de usuários diários seja contado na casa de vários milhares.

Minha experiência pessoal é bem positiva: o Efetividade.net esteve hospedado por lá até atingir cerca de 25.000 visitantes diários, usando o plano mais básico e depois ainda passando mais alguns meses por lá em um plano avançado, migrando para o MediaTemple (saindo assim do modelo compartilhado para o modelo dedicado virtual) quando passou a ter 45.000 usuários por dia – felizmente é possível mudar de hospedagem quando necessário.

Não é um recurso à prova de balas: eu diria que a cada 2 ou 3 meses percebo que o meu serviço lá fica inacessível (por 30 minutos a 2h) por algum problema, e geralmente volta ao ar sozinho quando eles mesmos reestabelecem a situação. Nada que me incomode, mas se você deseja mais disponibilidade do que isso, não sei se é possível encontrar garantias na faixa de preço dos US$ 10 ao mês...

Minha opção para projetos mais exigentes

Quando meus 2 sites mais antigos (o BR-Linux e o Efetividade) chegaram perto dos 25.000 visitantes diários, o Dreamhost não conseguia mais me atender com a qualidade que eu esperava, e eu mesmo tomei a iniciativa de movê-los para um provedor mais robusto: um plano DV (dedicated virtual) no MediaTemple.

Lá as opções são em outra faixa de preço, bem diferente da do Dreamhost: o plano DV mais barato no MediaTemple custa US$ 50/mês. Em compensação, os recursos que você adquire (no caso, 512MB de RAM, 30GB de disco e 1TB de transferência mensal) são melhor separados e assim ficam mais à sua disposição.

No MediaTemple o painel de controle via web é o Plesk, e você também pode configurar seu servidor via ssh, se souber o que está fazendo.

De modo geral, o que eu faço no MediaTemple é o que eu faria no Dreamhost, apenas em escala maior, e usando ferramentas diferentes. Ele também tem ferramentas de gerenciamento dos e-mails, instalador de aplicativos web, etc., etc.

Diferentemente do (barato) Dreamhost, o MediaTemple não fica fora do ar com frequência. Mas problemas acontecem, e nos últimos 3 anos tive no mínimo 4 ocasiões com os sites fora do ar sem ser por responsabilidade minha. Mas se eu não me preocupo com as quedas trimestrais do Dreamhost, não serão essas quedas raras do MediaTemple que me tirarão o sono ツ

Descontos por indicação

Se você seguir qualquer um dos links para o Dreamhost que constam aqui neste artigo, a sua adesão em um plano anual terá desconto de US$ 30, e a adesão em um plano de pagamento por 2 anos terá desconto de US$ 50.

Já se você seguir algum link para o MediaTemple aqui neste artigo, sua adesão terá um crédito a seu favor de US$ 25.

Em ambos os casos, eu também ganho algum valor do provedor (dependendo do que você contratar, claro). Se por alguma razão você preferir contratar sem gerar valor para mim, também pode, bastando seguir estes 2 links: 1, 2.

Além disso, não custa deixar bem claro: o contrato será entre você e o provedor, eu não faço parte do acordo e nem me proponho a prestar suporte nem intermediar nada. Mesmo assim, como eu ganho uma comissão caso você faça uso do convite e mantenha o contrato após o período de garantia, pode ficar à vontade para enviar eventuais dúvidas sobre a natureza dos serviços, e eu responderei se souber (mesmo que você não tenha certeza se quer contratá-los).

E vale a pena pesquisar antes: se eu fosse você, consultaria os seus amigos que têm sites na web, e leria os depoimentos de usuários do Dreamhost neste post anterior. É raro encontrar alguém plenamente satisfeito com os serviços de algum provedor, e é fácil encontrar posts on-line criticando qualquer provedor que se esteja pesquisando – mas certamente os seus amigos terão suas próprias experiências e indicações para compartilhar e facilitar a sua comparação.

Comentar

Comentários arquivados