ZTD: Produtividade Zen

ZTD, ou Zen to Done, é um método alternativo ao popular GTD que busca deslocar o foco completamente ao aqui e agora, à tarefa em execução, e não tão atento ao planejamento ou a um sistema.

Não é propriamente um concorrente do GTD - como alternativa, o ZTD dá atenção às mesmas mudanças de hábitos básicas que são essenciais ao sucesso no GTD, mas busca uma forma mais prática de operá-los, com foco na execução, na simplificação, e em minimizar a estrutura necessária.

Pessoalmente eu alterno entre períodos curtos de GTD (especialmente quando estou com excesso de projetos ou passando por uma fase de tarefas complexas) e longos intervalos de ZTD (quando está tudo operando ordinariamente e o overhead do GTD pode ser dispensado).

Minha experiência com metodologias de produtividade pessoal me apresentou ao GTD anos antes da disponibilidade do ZTD, razão pela qual não pude tirar proveito de uma de suas principais vantagens: a implementação progressiva, desenvolvendo um novo hábito de cada vez, ao contrário da "maneira GTD" que migra para um novo método e vários novos hábitos de uma vez só.

Foco no que importa

Mas a diferença essencial que eu percebo entre os 2 métodos é que o GTD é evidentemente direcionado a ser uma metodologia para nos transformar em verdadeiras máquinas de produzir, um triturador de pendências especializado em priorizar e realizar toda tarefa que aparece no nosso caminho.

Já o ZTD inclui uma visão estratégica que dá atenção à questão de perceber aquilo que é menos importante e nem deveria permanecer na nossa lista de pendências, para sobrar tempo e recursos para o que realmente importa.

Entre os 10 hábitos que o ZTD reforça, me agradam especialmente as revisões feitas no início de cada período (dia e semana), que têm por objetivo encontrar as tarefas mais importantes (de uma até no máximo 3) daquele período, cujo completamento indicará o sucesso do dia, ainda que sobrem itens menores na lista.

Outro aspecto interessante é o foco na execução atenta, que pode facilmente ser combinado a ferramentas como a técnica Pomodoro: o ZTD incentiva a concentração total na tarefa escolhida para ser executada, removendo distrações, interrupções e qualquer incentivo a multitarefas durante a execução.

Como em qualquer escala na busca do Zen, ao seguir a lista progressiva de 10 hábitos estaremos avançando também na escala da iluminação - neste caso, a iluminação de nossas atividades. Assim, chegar ao décimo degrau - que é o que se dedica a um critério de escolha genuína daquilo que realmente queremos fazer em nossas vidas - significa atingir algo que os mestres da produtividade sabem muito bem: que quem trabalha fazendo uma atividade pela qual tem paixão não se cansa, e nem precisa ser conduzido na execução.

O e-book ZTD - em português!

A "pátria" do ZTD é o blog Zen Habits, cujo autor disponibiliza um e-book descrevendo detalhadamente o método (em inglês), incluindo como implementar os 10 hábitos, como organizá-los em um sistema simples, e como simplificar o que você precisa fazer.

O e-book do ZTD custa US$ 9,50 e eu recomendo muito a leitura!

Mas além de ser comercializado pelo autor Leo Babauta, o e-book do ZTD também foi disponibilizado por ele sob uma licença livre, o que permite sua cópia e tradução por iniciativa da própria comunidade de leitores.

Uma das versões para o nosso idioma disponíveis gratuitamente (e legalmente!) é a tradução feita pelo Lucas Teixeira, que pode ser lida pela web.

Portanto, se você está pensando em uma maneira alternativa de se aproximar do ideal da produtividade pessoal, recomendo comprar o e-book do Zen Habits e ler também a versão traduzida pelo Lucas.

E depois comente conosco sobre o que achou desse outro jeito de pensar em produtividade!

Comentar

Comentários arquivados