HD externo USB de 500GB: teste prático do S2, da Samsung

Que tal um HD USB de 500GB, com bom desempenho, design atual, leve e que cabe no bolso da camisa?

Testei o modelo S2, da Samsung, e ele tem bem mais forças do que pontos fracos - e abaixo apresento ambos os pontos de vista.

Mobilidade digital na prática

Sou um grande fã da mobilidade informatizada que começa a ser cada vez mais comuns nos equipamentos e acessórios disponíveis no mercado. No ano retrasado aderi entusiasticamente a um dos primeiros netbooks da safra moderna (o Eee PC 701, cuja mini-análise, já obsoleta, publiquei na época), e ele já reunia alguns dos requisitos cada vez mais exigidos para aparelhos móveis: era mais leve que seus concorrentes, sua redução de desempenho e funcionalidade era aceitável (mas a definição de aceitável foi ficando menos elástica conforme os meses passaram e novos modelos surgiram), e ele suportava bem os solavancos e impactos do dia-a-dia em mochilas e bagageiros.

Só que um dos recursos de mobilidade essenciais, para mim, não era bem suprido pelo Eee PC 701: seu volume de armazenamento interno era insuficiente, a ponto de eu ter de levar comigo alguns pen drives e cartões SD para complementá-la. Mas eu sabia, e aceitava, que este era o preço a pagar por uma vantagem, que naquele momento apenas começara a ser explorada: no lugar do típico e sensível disco rígido mecânico, o Eee usava unidades de memória flash, conhecidas pela sua resiliência - sabe-se que elas costumam tolerar, sem perda de dados, até mesmo condições extremas, como um ciclo completo na máquina de lavar, quando um dono descuidado esquece uma delas (em um pen drive, por exemplo) no bolso da calça.

Mas o tempo passou, eu mudei para um novo netbook (e este tem um HD tradicional, com 160GB de armazenamento interno), e agora vivo mais longe do extremo da escala representado pelo antigo Eee PC 701: meu micrinho atual tem lugar para todos os dados que eu queira levar nele no dia-a-dia - e os dados especialmente sensíveis recebem backup fora dele, em pen drives resistentes a quedas e chuvas inesperadas ;-)

O outro lado da moeda: cada vez mais dados, cada vez mais volumosos

Só que esta evolução tem um preço a ser pago. Para mim, dados importantes só estão seguros quando há um backup externo deles, e para isso sou grande fã dos HDs externos USB. Meu home office conta com 2 deles permanentemente disponíveis, sendo um sempre conectado, para manter backups de recuperação rápida e arquivos volumosos temporários, e o outro ativado apenas periodicamente, para backups completos periódicos. Os dados realmente importantes também são reproduzidos, periodicamente, em mídias removíveis arquivadas fora do escritório.

E haja dados nestes backups! São imagens de instalação de sistemas operacionais (algumas com tamanho contado em gigabytes), vídeos, áudio, documentos digitalizados, código-fonte de sistemas diversos, bases de dados de sites, e todos os demais tipos de arquivos volumosos - compactados ou não.


Menu principal do meu media center no Mac Mini

Existe um terceiro HD externo na casa, e nele residem os arquivos do meu media center (já abordado anteriormente), que ultimamente tem existência virtual: às vezes é operado a partir do Playstation 3 (com HDMI e conexão de áudio digital ativados), e mais frequentemente a partir do veterano Mac Mini, que me oferece bem mais opções de software para exibição, edição e organização do conteúdo.

Para completar, há um veterano (safra 2004) HD externo de 20GB sendo usado para tarefas eventuais de transferência de dados.

Em ambos os casos principais (backup e multimídia), lidamos com arquivos volumosos, e aí a velocidade de acesso (especialmente na hora da recuperação ou acesso aos dados) é crucial.

S2 Portable: O HD portátil da Samsung

Por todas essas razões, dei boas-vindas à oportunidade oferecida pela empresa de testar em laboratório o HD portátil USB de 500GB que a Samsung está promovendo no Brasil. Meu caso de uso, embora extremo quanto ao volume de armazenamento profissional doméstico, não deve fugir muito do que vocês considerariam na hora de escolher um dispositivo de armazenamento secundário externo, embora talvez desaponte a quem gostaria de ver um teste que considerasse múltiplos formatos de filesystem, desempenho de acesso não-linear e outras características consideradas tipicamente em dispositivos de armazenamento principal de alto desempenho - que não é o caso.

Todos os comentários abaixo são sobre o modelo de 500GB que eu testei a convite da empresa, mas a mesma linha está presente no Brasil também em modelos de 160, 250 e 320GB.

É bonitão - mas tem cara de "eletroportátil"

Começarei pela aparência, que me chamou a atenção desde o momento em que abri a caixa: o Samsung S2 é muito bonito, com um design que combinou bem linhas, brilhos, padrões e formato para produzir um aparelho que se destaca positivamente pelo visual - e esta minha opinião foi confirmada por 100% das visitantes do laboratório no período de uma semana em que o aparelho esteve por aqui.

Só que tem um detalhe intrigante: o visual dele lembra muito as demais linhas de eletrônicos da Samsung, de forma que ele parece muito mais com um acessório do home theater lá da sala do que com uma "peça de computador". Nenhum problema quanto a isso - ele até combina com as cores do meu netbook... - mas esta constatação chamou a atenção por aqui.

O modelo que passou por aqui é o preto ("black piano"), mas também estão disponíveis as versões branco, vinho e café. O gabinete é plástico, e há apenas um conector, para o cabo USB (mini-B) padrão.

É pequeno - literalmente cabe com folga no bolso da minha camisa

O Samsung S2 mede 11,1 x 8,2 x 1,7cm - pouco mais que o meu celular, e eu desejaria conseguir manter a minha carteira sempre arrumada para ser tão fina quanto ele - as demais dimensões dela são bem parecidas.

Os 170g do seu peso pouco fazem variar o peso total da minha mochila, o que neste sentido o tornaria uma boa opção para levar comigo no dia-a-dia ou em viagens.

Também vejo o recurso de stand-by automático após 5 minutos de atividade como algo que aumenta a portabilidade, na prática, porque há mais oportunidade de usá-lo até mesmo em notebooks operando longe da tomada por períodos mais longos.

É espaçoso - maior do que qualquer HD da casa

Aqui em casa não há falta de discos rígidos: há os do home office, os dos nossos notebooks, do videogame, do media center, etc. São tantos, desempenham funções tão diferentes, e foram adquiridos ao longo de um período de tempo tão amplo, que eu nem sabia quais as suas capacidades. Mas hoje, enquanto rodava um teste de desempenho no S2, aproveitei para fazer um levantamento, e descobri que este pequeno portátil tem mais espaço de armazenamento do que qualquer um dos HDs da casa.


Mais de 100 DVDs

Quinhentos gigabytes, ou os 476,9GB disponíveis após a formatação, é muito espaço para usar em um cenário de informática pessoal - em um cenário típico, corresponde a mais de 70 horas de vídeo, ou mais de 40.000 músicas em MP3, segundo a Samsung.

Para mim, o tamanho do espaço disponível foi melhor representado pela constatação de que não havia por aqui nenhum disco rígido com esta capacidade. Mas a Samsung fez questão que isso ficasse bem claro, e mandou na mesma caixa um pino contendo 106 DVDs virgens, destacando que é o mesmo espaço de armazenamento disponível no S2. Ficou bem claro para mim ;-)

Consequência do paradigma: não é para jogá-lo no chão

Nem colocar na máquina de lavar! No âmago do seu ser, o S2 de 500GB tem um disco rígido tradicional, como este Samsung SpinPoint M, feito para ser usado em dispositivos móveis (segundo a imprensa internacional, o modelo específico roda a 5400 RPM, tem 8MB de cache e interface interna Serial ATA/300).


O S2, visto pelos fundos

Portanto, ele até tem alguma tolerância a impactos, como qualquer HD para notebooks deveria ter, mas nada comparável à resiliência do armazenamento em flash. Por outro lado, ainda não encontramos drives flash de 500GB a preços assim acessíveis, portanto é uma questão de escolher - e esta escolha, no caso, é o principal ponto negativo do S2 para quem quer usá-lo na estrada, na minha opinião.

Mas aos amigos que pediram, via Twitter, que eu fizesse um teste de impacto largando o aparelho do alto da escrivaninha (ou do terceiro andar!), já aviso: este é um teste que faz sentido aplicar em um aparelho feito para resistir a este tipo de impacto, e não é o caso - mas tenho razoável expectativa de que ele resista bem aos solavancos da mochila, algo que infelizmente não vai dar tempo de testar.

Desempenho e compatibilidade

Existem muitos testes padronizados de desempenho de dispositivos de armazenamento, mas para o meu caso de uso, a maioria deles faz pouco sentido - se eu estivesse testando discos para uso em servidores, em configurações RAID ou em outras aplicações específicas, aí sim faria sentido para mim testar algo mais. Mesmo assim agradeço a quem sugeriu os testes não-lineares, e as comparações em inúmeros formatos de filesystem - isso pode dar uma matéria futura interessante.

Na prática, o meu teste foi o tradicional, de desempenho de leitura. Para contextualizar, comparei com o HD interno de um notebook VAIO (safra 2009) que andava por aqui, e com um pen drive DaneElec de 1GB - e todos os testes foram realizados com a mesma ferramenta de benchmark, sem configurações especiais (só pluguei e testei), no mesmo computador, que não estava rodando nenhum outro aplicativo em paralelo.

Como esperado, o desempenho do Samsung S2 externo não chegou a igualar o do HD interno, mas também esteve longe de ser lento. E teve um mérito importante: seu desempenho foi contínuo ao longo de todo o tempo do teste, com pouca variação entre desempenho mínimo e máximo - respectivamente, 26,6 MB/s (mín.) e 30,3 MB/s (máx.), com tempo de acesso médio de 20,5 ms.

A melhor forma de comparar este desempenho, na minha opinião, é com um pen drive, pois este também se conecta via bus USB, e tem a seu favor a possível vantagem de gravar diretamente em memória, e não em um dispositivo mecânico. Mas o S2 deu um banho no pen drive do teste, cujo desempenho mínimo foi de 10,4 MB/s e o máximo alcançado foi de 11,9 MB/s.

Já o HD interno do Vaio teve desempenho superior, mas em uma acentuada curva descendente: começou com um desempenho máximo de 65,4 MB/s, mas após um minuto já havia caído para um mínimo de 31,4 MB/s - bastante próximo da média do S2. Se o teste (ou a transferência) se prolongasse mais, acredito que as médias tenderiam a se aproximar mais.

Testes práticos de escrita no desktop podem ser um pouco mais complicados, porque há grande número de buffers envolvidos, mas eu testei o tempo de gravação (incluindo sync ao final) de um arquivo de 25MB (3,04 segundos), de 1,7GB (2 min e 12 seg), para você ter uma idéia. Arquivos menores de 1MB foram testados também (tempo sempre inferior a 1s), mas não vou registrar porque acredito que a aferição é inerentemente imprecisa.

Quanto à compatibilidade, foi plugar e usar, tanto no Linux, quanto no Windows (testei XP e Vista), quanto no Mac OS X e no Playstation 3. Ficam as menções honrosas para a escolha do conector - o S2 usa o USB mini-B, de longe o conector USB mais fácil de encontrar em periféricos - e a ausência de chatice na conexão ao Windows: foi plugar e usar imediatamente, sem a instalação de um monte de firulas como ocorre em vários HDs externos e pen drives do mercado.

Aplicativos adicionais

Minha escolha de sistema operacional não me permitiu simpatizar com os aplicativos adicionais que vêm gravados no S2, mas fica a descrição deles, para o caso de a informação ser importante para você.

O primeiro é um sistema de backup, com opção de acompanhamento on-line (a propaganda chama de "em tempo real") ou execução programada. Por melhor que este aplicativo seja, a minha própria experiência profissional me leva a optar por sistemas de backup que sejam fornecidos com o próprio sistema operacional, ou que sejam bastante populares na sua plataforma e fáceis de instalar em outro computador, ou ainda que sejam padronizados na sua empresa, porque na hora de se recuperar de uam catástrofe, é bom poder contar com a questão da portabilidade plena e imediata dos dados, em qualquer lugar e situação.

O outro é um sistema de criptografia ("SecretZone") que cria drives virtuais (no Windows) em que tudo o que for gravado será transparentemente criptografado - mais ou menos como ocorre no mais poderoso, portável e maduro (e gratuito) TrueCrypt, que eu recomendo para a mesma funcionalidade.

Resumindo e concluindo

Considero os HDs externos uma ferramenta essencial, tanto para a mobilidade quanto para os backups on-line. Minha rotina digital depende deles, tanto profissionalmente quanto no lazer.

O modelo S2 de 500GB passou com louvor nos meus testes, e apenas lamento a impossibilidade de testá-lo de forma mais prolongada (quem sabe uns 3 ou 7 anos?), pois amanhã ele já retornará à empresa, nos termos do nosso acordo, como de praxe - é um daqueles casos de produtos testados de forma tão bem-sucedida que dá vontade de guardá-los.

Na prática, eu não recomendo usar nenhum dos 2 aplicativos que vem pré-gravados no equipamento, mas todos os outros aspectos testados foram positivos: aspecto visual, interface padronizada (é o cabo USB mais comum), desempenho, compatibilidade, tamanho e capacidade.

A única exceção é para quem quer um dispositivo de armazenamento externo que resista a grandes impactos e a condições ambientais extremas: para estes, minha recomendação é procurar uma unidade baseada em armazenamento flash, mesmo que seja de menor capacidade.


O tamanho é este mesmo, mas o gabinete de verdade NÃO é translúcido

Mas para os pequenos impactos comuns do dia-a-dia (transporte urbano, mochila, etc.) as unidades baseadas em disco rígido tradicional costumam ter tolerância suficiente, e eu usaria sem medo, assim como uso na prática os demais modelos baseados na mesma tecnologia.

A Samsung não mandou informações sobre onde comprar no Brasil, mas consta que é possível encontrá-lo na rede Fast Shop, e o site oficial do produto também inclui um link "Achar Loja" que poderá ajudar os interessados. Para comparar preços, a página de HDs externos do Submarino pode ajudar.

Comentar

Comentários arquivados