A arte de mandar e-mails que merecem resposta

Uma das melhores maneiras de descobrir a resposta de alguma questão é perguntar a quem sabe. Certo? Sim, não há dúvida. Mas em alguns casos - especialmente em ambientes acadêmicos, profissionais e on-line - a pessoa que sabe, e poderia lhe responder, não tem condições de responder a todas as perguntas encaminhadas a ela, e assim faz triagem, ou mesmo deixa de dar atenção máxima a boa parte das questões que recebe.

Mesmo assim, em geral essas pessoas respondem a uma parte das perguntas que recebem. Portanto o seu desafio, se quer perguntar algo a elas, é conseguir passar pelos filtros que elas adotam, e assim chegar a ser respondido.

O fator humano está envolvido, portanto não existem indicações absolutamente corretas neste campo. Sugiro começar lendo as dicas do artigo anterior "Como enviar e-mail para receber melhores respostas", que explica o que fazer para aumentar a chance de a sua mensagem chegar a ser lida, se você enviá-la on-line.

Depois de a mensagem chegar a ser lida, entretanto, a questão passa a ser ter uma pergunta que chegue a ser respondida. Portanto, vamos abaixo a algumas dicas para melhorar as chances a seu favor.

Como fazer perguntas que merecem resposta

  1. Seja breve e vá direto ao ponto. Um assunto por mensagem. 10 linhas ou menos. Construa a questão de forma que a resposta a ela possa ser objetiva: “Sim”, “Azul”, “3,14″ ou “Julho”.
  2. Não tente transferir seu problema. Os comentários do nosso post anterior sobre planos de negócios estão cheios de exemplos sobre o que não fazer: "Preciso fazer um plano de negócios para uma academia de ginástica como trabalho de aula, por favor me envie um", ou "Vou abrir uma padaria e preciso de um plano de negócios, por favor me envie um". Se você tem uma necessidade complexa, dificilmente alguém vai simplesmente se encarregar de realizá-la completamente para você. Um pedido muito mais razoável seria: "Por favor, me indique guias e modelos sobre como fazer o meu plano", ou "Onde posso aprender a fazer um plano de negócios deste tipo?"
  3. Faça seu dever de casa antes de pedir ajuda. Antes de perguntar, pelo menos pesquise no Google, no dicionário ou mesmo no material publicamente disponível de autoria da pessoa a quem você estiver se dirigindo. Perguntas de quem não se deu nem mesmo ao trabalho de realizar uma pesquisa rasteira merecem poucas respostas.
  4. Seja específico sobre a sua dúvida. Nos comentários do artigo sobre a multifuncional HP C3180 podemos encontrar vários exemplos do que não fazer neste quesito: a pessoa quer ajuda, mas não tenta explicar em que, mais ou menos assim: "Liguei minha multifuncional e não consigo scannear. O que fazer?" Quem vai conseguir responder a algo assim sem antes fazer mais meia dúzia de perguntas? O que será que a pessoa já tentou? Ela consegue imprimir? Já conseguiu scannear anteriormente? Com este mesmo micro? Aparece alguma mensagem de erro? Qual o procedimento que foi tentado? Em resumo: ao perguntar, dê detalhes suficientes que permitam a análise necessária.
  5. Pergunte à pessoa certa. Não adianta muito vir aqui no Efetividade.net para perguntar por que você foi banido no fórum de outro site, ou (e eu recebo essas perguntas freqüentemente) como enviar e-mails para o programa do Gugu, ou onde encontrar peças de reposição para helicópteros radiocontrolados. Claro que as pessoas que fazem essas perguntas não lerão este artigo, mas vale a dica para você: certifique-se de estar enviando sua pergunta para a pessoa certa.
  6. Se for propor algo, deixe claro o que ambos os lados têm a ganhar. Para exemplificar, recebo muitas propostas de "parceria" ou pedidos de inclusão de material aqui no Efetividade. Embora eu colabore e contribua com prazer em muitas iniciativas, e nunca aceite nenhuma compensação por incluir conteúdo aqui no site (com ou sem referência a outros sites), muitas vezes recebo propostas que não chegam a merecer resposta, por deixar muito claro que o autor só pensou em seu próprio ganho, sem incluir qualquer referência ao que os leitores do Efetividade teriam a ganhar caso eu aceite o que ele está propondo. Portanto, se for pedir ou convidar a colaboração ou contribuição de alguém, deixe claras as intenções e possibilidades desde o princípio. O artigo anterior “Tio, me dá um link?” tem mais alguns detalhes.

O artigo "How To Ask Questions The Smart Way" tem um detalhamento bem mais profundo sobre como dominar a arte de fazer perguntas que merecem ser respondidas. Recomendo a leitura!

Se você tiver mais sugestões, está convidado a compartilhar com os demais leitores nos comentários!

Comentar

Comentários arquivados