Rotulador eletrônico Dymo Letratag Plus LT-100T - eu recomendo!

Um dos pontos do método GTD em que David Allen abandona completamente o enfoque tático de dizer apenas o que fazer, e vai ao nível operacional, descrevendo detalhadamente como fazer, é na questão da organização e indexação de objetos e documentos. Seja para criar os “olhos” que identificam as pastas suspensas, ou para identificar prateleiras, ou caixas, ou envelopes de documentos, você precisa de uma solução que possa criar etiquetas adesivas uniformes, bonitas, facilmente legíveis e que não descolem. E David Allen sustenta (e me convence) que a solução mais efetiva é um rotulador eletrônico. As etiquetas geradas por eles grudam de verdade, a escrita é clara e permanente, a padronização é evidente, e você imprime quando quiser, quanto quiser (ao contrário das etiquetas de computador, em que é difícil imprimir folhas incompletas sem desperdício).


Um dia vou ter uma dessas! ;-)

Assim começava o meu artigo anterior sobre rotuladores Dymo, e continua sendo tudo verdade: David Allen recomenda o uso de um bom rotulador como ferramenta de estímulo à organização, e eu continuo assinando embaixo.

Continuo satisfeitíssimo com meu Dymo Letratag MT azul velho de guerra (e ele continua funcionando muito bem), mas eu agora trabalho em 2 locais e uma verdade inevitável do universo é que quando você tem 2 locais de trabalho, as ferramentas de produtividade estarão sempre no local em que você não estiver. Portanto, a conclusão lógica é que eu precisei de um segundo rotulador.

E isso me levou a pesquisar, e a passar a desejar um modelo avançado como aquele Dymo 400 Turbo da foto que abre este artigo, mesmo não tendo demanda para algo tão cheio de recursos. Mas aí botei o pé no chão e me limitei aos modelos pessoais. Estava quase comprando um irmão gêmeo do meu velho Letratag MT, quando encontrei no site da Kalunga um modelo mais recente e mais avançado: o Dymo Personal Labelmaker Letratag Plus LT-100T, da foto minúscula abaixo:

Os recursos do modelo anterior me parecem todos preservados, e o formato dos cartuchos de fita são os mesmos, mas há um monte de novidades. A que começou a me ganhar foi o display maior e melhor definido, mostrando com clareza as etiquetas tais como aparecerão na impressão, incluindo os efeitos gráficos e decorações. Mas eu decidi mesmo pela compra ao ver a nova interface com o usuário, baseado em uma série de botões de função e um navegador direcional, intuitivo para quem quer que tenha usado uma interface de computador nos últimos 10 anos, na minha opinião - embora seja necessário levar em conta as limitações do display. E quando vi que ele tinha memória permanente para armazenar até 9 etiquetas, terminei de decidir e fiz a compra.

O LT 100T é mais ou menos do tamanho de um CD player portátil de 10 anos atrás, com um teclado QWERTY que pode ser operado com o aparelho nas suas mãos (como se fosse um PDA) ou apoiado na mesa (como se fosse a calculadora FACIT do meu avô), imprime em 5 tamanhos de fontes, com etiquetas de uma ou duas linhas, e tem suporte a 195 símbolos (pontuação, matemáticos, letras gregas, desenhos decorativos e mais). A interface opera em inglês, francês e espanhol, e ele trabalha com 4 pilhas pequenas.

Na imagem acima, scanneada a partir do encarte que acompanha o produto, você vê alguns dos estilos de impressão disponíveis. Mas há bem mais - tem até molduras com flores ou com trenzinhos, para os pais que quiserem fazer etiquetas para o material escolar ou as lancheiras da criançada.

O modelo que eu comprei na Kalunga veio acompanhado de um folheto adicional, bem produzido, apresentando o produto e ensinando o essencial do seu uso, em bom português. Explica até mesmo como inserir caracteres acentuados, uma operação simples mas nada intuitiva. Trouxe também 2 cartuchos de etiqueta, sendo um deles de fundo branco e o outro de fundo transparente.

Eu comprei na Kalunga, mas os preços variam bastante - pesquise antes de comprar o seu. Para mim valeu cada centavo, mesmo não sendo barato. E várias pessoas que já me viram usando compraram os seus, então acho que não sou o único a gostar de ferramentas que ajudam a organizar o dia-a-dia ;-)

Comentar

Comentários arquivados