Entrevista de emprego: perguntas e como responder - parte 2

Entrevista é o momento da verdade para muitos profissionais em busca de um novo emprego, e saber como lidar com as perguntas de entrevista mais comuns, escapando das pegadinhas e armadilhas, é uma necessidade comum.

Esta é a segunda (e última) parte do artigo que apresenta perguntas comuns em entrevistas de emprego elaboradas por profissionais típicos - leia também a primeira parte. Não existe uma única resposta certa para cada uma delas, e você deve responder sempre com naturalidade e de forma espontânea - nada de respostas decoradas! Mas em muitas das perguntas há um teste oculto, e estes testes acabam eliminando muitos candidatos.

Por isso, para cada pergunta foi acrescentada uma sugestão de resposta, e eventualmente um comentário sobre qual o teste oculto. Você não deve decorar estas respostas e usá-las na próxima entrevista; a idéia é que você as use como base para compor sua própria resposta, que deve ser sincera e espontânea. Assim, você não será pego despreparado por nenhuma destas perguntas comuns, muitas delas difíceis de serem respondidas de improviso.

Veja os detalhes no artigo anterior (que tem também as perguntas sobre o candidato e sobre seu histórico e carreira), e leia a seguir a continuação com as perguntas sobre a vaga e a empresa para as quais está se candidatando, sua opinião sobre sua empresa, equipe ou chefe anteriores, e algumas das armadilhas comuns em entrevista e redação para seleção de emprego.

Sobre a vaga e a empresa

  1. O que você procura aqui na empresa? Você certamente procura muitas coisas, inclusive a satisfação de necessidades pessoais. Não há razão para esconder isso, mas também não é necessário detalhar. Prefira detalhar aspectos que você procura e que interessem à empresa diretamente, como o desafio de fazer parte da história dela, a chance de contribuir para algum projeto ou estratégia notável dela, ou o envolvimento com um quadro profissional tão capacitado, por exemplo.
  2. Por que acha que devemos lhe contratar? Esteja preparado para esta, e mencione de forma objetiva 2 ou 3 diferenciais seus que você considera essenciais, e a forma como eles podem gerar resultado para a empresa.
  3. Por que enviou seu currículo para esta empresa? Esta é uma oportunidade para fazer valer a pena as horas de pesquisa que você fez sobre a empresa antes da entrevista. Fale sobre notícias recentes de sucessos da empresa, perspectivas de crescimento do seu mercado, e como acredita que o posicionamento dela a torna atraente para qualquer profissional.
  4. Quanto vai demorar até trazer uma contribuição positiva para esta empresa? Esta é uma pegadinha de entrevista, e o entrevistador que recorre a ela merece ouvir uma resposta pronta e enlatada. Aqui vai: "A partir do primeiro dia, na verdade mal posso esperar. E tenho certeza de que será uma contribuição crescente, conforme for conhecendo melhor a empresa e seus objetivos!"
  5. Quanto tempo pretende permanecer na empresa? Aqui em geral o entrevistador quer remover qualquer pessoa que afirme que tem, de fato outra oportunidade em vista, ou que tem planos para daqui a alguns anos ir fazer alguma outra coisa. Se for um bom entrevistador, ele também pode dar pontos negativos se entender que você é acomodado e só deseja um lugar para se encostar até a aposentadoria. A resposta segura é dizer que pretende permanecer enquanto houver perspectivas de desenvolvimento pessoal e profissional, e enquanto estiver apto a oferecer uma genuína contribuição, mas que pelo que você entendeu sobre a vaga e sobre a empresa, não vê qualquer motivo para que a relação não seja duradoura.
  6. E se tiver que assumir o lugar do seu futuro chefe aqui na empresa? "Farei com prazer, sempre que a empresa determinar. Quero crescer, mas de preferência em conjunto com ele, e jamais sendo desleal aos superiores."
  7. Qual a opinião que seus subordinados têm de você? Responda chamando-os de "a equipe" (e não "a minha equipe", ou "os subordinados"). O ideal é enfatizar que eles o respeitam, ou que o admiram. Nem sempre é ideal mencionar que você desenvolveu amizade com todos eles, e principalmente as inimizades pessoais.
  8. Já selecionou e admitiu funcionários? O que considera importante em um candidato? Aqui uma resposta perigosa é indicar uma característica qur você mesmo não possua, mesmo que seja simples explicar a razão disso. Também não vale a pena ser muito óbvio tentando indicar exatamente as características nas quais você mais se destaca. O melhor é dar uma resposta ampla, mencionando características objetivas, como a adequação aos requisitos da vaga, a capacidade de trabalhar em equipe, a experiência, o conhecimento técnico, etc.
  9. Descreva como seria seu emprego ideal. Sem surpresas aqui. O que o entrevistador espera é que você seja sincero, e ao mesmo tempo acabe descrevendo exatamente a vaga para a qual está sendo selecionado. Portanto não exagere nas tintas, para não parecer forçado, nem descreva algo que não corresponda ao que você imagina que a empresa tem em mente para você.
  10. O que você mudaria caso você estivesse na diretoria da empresa? Atenção aqui: a não ser que o seu processo seletivo seja justamente para um cargo da alta direção, dificilmente o avaliador estará realmente procurando obter sugestões reais. Ele quer saber como você pensa, e exceto em casos excepcionais, a resposta mais racional envolve dizer que você jamais poderia oferecer um remédio antes de realizar o diagnóstico, e que antes de propor qualquer mudança, você pretende conhecer bem a companhia, e as razões pelas quais as coisas são como são. Mas se você conhecer bem a empresa, pode arriscar uma jogada muito mais recompensadora, e complementar a resposta acima dizendo que se você fosse começar o diagnóstico hoje, iria se concentrar na área "X" da empresa, porque esta lhe parece a mais crítica para o seu sucesso. Mas não arrisque isso se não tiver um razoável grau de certeza do que está dizendo.

Sobre a empresa anterior

Aqui você precisa lembrar que o objetivo da entrevista é avaliar você - o entrevistador não está nem aí para a sua empresa ou chefe anterior, portanto todas as perguntas desta seção são testes ocultos, um verdadeiro campo minado. Ele quer saber se você tem uma postura ética, se é leviano com informações internas da empresa, se trata os conflitos de trabalho como se fossem pessoais, se é maduro nos relacionamentos profissionais, etc. É seguro assumir que o entrevistador imaginará que você falaria sobre a nova empresa as mesmas coisas que falar a ele sobre a empresa anterior.

  1. Qual sua opinião sobre a empresa ou chefe anterior? Nunca fale mal, evite até mesmo críticas construtivas, e nem mesmo pense em fazer comparações, mesmo que as 2 empresas sejam concorrentes diretas - aqui quem está sendo avaliado é você, e não o ex-chefe, e falar mal dele em sua ausência raramente conta ponto a seu favor neste contexto. Era uma boa empresa, e o chefe sempre agiu com você como um excelente profissional.
  2. O que você não gostava no emprego anterior? Não se queixe, e não se esqueça de que quem está sendo avaliado aqui é apenas você, e não o emprego anterior. Você gostava de tudo.
  3. Avalie honestamente seu antigo chefe e empresa, pontos positivos e negativos. Mesma rotina: você lembra de pontos positivos, e eles são todos sinceros, honestos - e pensados de antemão. O seu avaliador não está nem aí para a empresa anterior, ele quer saber se você é leal, se leva as coisas para o lado pessoal, se fala sobre a empresa quando está fora dela, etc.

Pegadinhas comuns

  • A armadilha do silêncio: após perguntas "difíceis", como a do seu "maior defeito", ou "maior arrependimento", alguns avaliadores com pretensões psicológicas empregam um velho truque: ao invés de continuar a entrevista, fazer um comentário ou a próxima pergunta, eles simplesmente ficam em silêncio, encarando o entrevistado sem passar nenhuma mensagem (de desaprovação, etc.) com sua expressão facial. Isto é uma pegadinha, e bastante gente cai - ao perceber a situação de stress, assumem que o entrevistador considerou a resposta errada, mentirosa, insuficiente, ridícula ou qualquer outra coisa, e começam a tentar "consertar", muitas vezes com resultados desastrosos para si mesmo. A intenção é mesmo intimidar e provocar stress, para ver como o candidato se sai. Se tentarem isso com você, aguarde alguns segundos calmamente, e em seguida não afirme nada, apenas pergunte: "há algo mais que eu possa esclarecer sobre este ponto?" Se o entrevistador continuar em silêncio, simplesmente aguarde silenciosamente também, em atitude respeitosa e séria, prestando atenção a ele,como se estivesse dando a ele tempo para pensar, até que ele perceba que você não se intimidou e nem vai "se entregar".
  • O dilema das informações confidenciais: para este não há solução simples. Se nas perguntas sobre seu antigo emprego ou chefe você perceber que o entrevistador de fato parece esperar receber respostas objetivas sobre questões internas da empresa em que você atualmente trabalha ou recentemente trabalhou, você terá um dilema entre sua integridade e o seu interesse em agradar o entrevistador. E a integridade deve ganhar em qualquer situação, especialmente em uma entrevista de emprego. No máximo responda o que considerar como informação pública, mas nunca viole a confidencialidade das informações sensíveis da empresa - e responda, de forma clara e sem se alongar, que ir além do que você disse violaria seu compromisso de confidencialidade. Evite falar que violaria a ética, a não ser que você queira ofender o entrevistador, pois isso equivale a dizer que ele está sendo anti-ético. Note que em muitos casos, a pressão para que você revele segredos de outra companhia é um teste, e você passa apenas se resistir a ela.
  • O problema hipotético sem solução: Esta é uma questão comum em seleções de executivos: você recebe uma breve descrição de uma situação desafiadora e complexa, e a pergunta: como você resolveria esta situação? Note que dificilmente o problema é na sua área de conhecimento específico, e mesmo que seja, dificilmente você terá recebido dados suficientes para poder saber como começar, ou como garantir o sucesso. A não ser que isso ocorra no contexto de uma avaliação de criatividade, ou em uma dinâmica de grupo, sua melhor chance pode ser considerar que se trata de uma pegadinha clássica, e entender que o que você deve responder é como agiria para resolver o problema: levantaria tais e tais dados, consultaria tais e tais pessoas, contrataria este e aquele serviço, e então daria a ordem a tal e tal departamento. Caso contrário, se você simplesmente propuser uma solução sem nenhum dado para suportá-la, vai parecer que seu processo de tomada de decisão é bastante falho.

Fontes e referências

O artigo 64 interview answers you need to know é a fonte da maioria das perguntas, e inspiração ou fonte para boa parte das respostas e análises deste artigo. Além disso, eu li e recomendo os seguintes artigos:

Leia também:

Comentar

Comentários arquivados