Vagas para emprego grátis: emprego sem pagar nada para agências e portais

Emprego é a necessidade essencial para a maioria da população. Encontrar a vaga de emprego ideal, seja um emprego temporário ou o trabalho certo na empresa dos seus sonhos é a aspiração de quase todos nós, e uma busca infindável.

Infelizmente, assim como no caso do trabalho em casa, o mercado está lotado de empresas que baseiam seus negócios em obter pequenas quantias de desempregados desinformados que recorrem a elas na expectativa de obter o caminho para um bom emprego, mas recebem bem menos do que esperavam - muitas vezes na forma da inclusão de um mau currículo padronizado em um banco de dados que poucos empregadores consultam. Note que não quero dizer que toda agência de emprego é uma armadilha - algumas são sérias, e você até mesmo pode considerar recorrer aos seus serviços, como veremos a seguir.

Mas o fato é que muitas pessoas cometem os mesmos erros comuns: limitam-se a dizer "procuro emprego", e aí consultar os classificados de emprego ou a lista de vagas de emprego do SINE, preparar um curriculo padronizado e pobre com a ajuda de uma agência ou portal de currículos, e atiram para todos os lados, ao invés de tratar a procura pelo emprego como uma tarefa objetiva.

Claro que não é fácil, especialmente para quem não se enquadra no perfil que o mercado chama de "profissional qualificado" - com a formação e os treinamentos certos, na idade considerada ideal, já com experiência, excelentes referências, etc. E a coisa piora nos casos em que o candidato é vítima de preconceito pelo seu sexo, faixa etária, estado civil, religião, etnia, situação social, histórico ou tantos outros.

E é por isso que preparamos as 10 dicas abaixo, que permitirão a você procurar o emprego certo, sem entregar seu dinheiro na mão de nenhum caça-níqueis, e sem desperdiçar oportunidades. O que elas não explicam é como você pode desenvolver o perfil de "profissional qualificado", mas o ideal é que você invista permanentemente na sua qualificação - mesmo quando estiver entre empregos!

Vagas para emprego: como garantir a sua

  1. Defina sua situação: você precisa ter consciência de suas aptidões, pontos fortes e vulnerabilidades. Quanto antes você identificá-los, melhor, pois tentar lidar com eles apenas em uma situação em que você já está em dificuldades é sempre mais difícil. A partir do conhecimento de si próprio, defina que tipo de vaga você está buscando, sendo tão seletivo quanto a sua situação permitir. Delimite por mercado, por região, por natureza da atividade, ou pelo critério que fizer mais sentido para você. Tendo escolhido um conjunto de parâmetros, todas as outras etapas poderão ser melhor direcionadas e aproveitadas. Mas cuidado para não construir muros ao redor de si: ao longo do processo, saiba quando rever os parâmetros definidos. Este artigo, aqui do Efetividade, pode ajudar: Planejamento estratégico: como aplicar à sua vida.
  2. Os contatos: Um amigo meu costuma resumir assim: o segredo para estar empregado é conhecer pessoas bem empregadas. Para o primeiro emprego às vezes é um pouco mais difícil, mas o ideal é que você comece o quanto antes a formar uma rede de relacionamentos e contatos ("networking") a que possa recorrer, sem parecer inoportuno, quando chegar o momento de procurar uma nova colocação. Ao contrário do que pode parecer à primeira vista, isso não significa tentar praticar algum tipo de alpinismo social ou de forçar envolvimentos com diretores e presidentes de grandes empresas - o que ai lhe ajudar é ser próximo (de uma forma espontânea, natural e de longo prazo) de pessoas que trabalhem no mercado e região que lhe interessam, que conheçam outras pessoas e empresas, e possam assim não apenas ficar sabendo (e lhe avisar) de vagas em aberto, como ainda idealmente lhe recomendar para o responsável pela seleção. Mas tentar formar a rede de contatos só no momento da necessidade não dá certo.
  3. O diferencial: em várias regiões e mercados do Brasil, o número de candidatos interessados para a maioria das vagas comuns é muito superior ao que as empresas podem selecionar com eficiência, e desta forma elas acabam recorrendo aos processos de pré-seleção, que consistem basicamente em remover da lista as pessoas que não tenham os requisitos mínimos e que não se destaquem dos demais. É muito difícil ter diferenciais que se apliquem a qualquer processo de pré-seleção, mas se você tiver caprichado no passo 1 (auto-conhecimento e boa definição de parâmetros), é sempre possível ter aquele "algo mais" que faz você passar para a próxima fase do processo. Seja um curso (ainda que gratuito - procure no SENAI, SENAC, SEBRAE, associações de classe, sindicatos, etc.), um artigo publicado, um website, uma experiência como voluntário... qualquer coisa que você possa mencionar no currículo ou na ficha de inscrição e que desperte o interesse do avaliador. Lembre-se de que não estamos falando em algo que o transforme em um verdadeiro superstar na sua área; tudo o que você precisa é de algo que o diferencie das dezenas de pessoas que estão concorrendo com você mas não tiveram a mesma iniciativa, e que faça você ter a chance de progredir no processo seletivo, para chegar a ter a chance de mostrar aos avaliadores o quanto você tem potencial para o cargo desejado.
  4. O currículo: você precisa ter um currículo "genérico" bem feito, completo e atualizado, para enviar para agências de emprego, sites de bancos de currículos ou outras organizações especializadas em colocações, se for o caso. Mas quando estiver enviando currículo para uma empresa e vaga específicas, dê-se ao trabalho de adaptar o currículo, colocando em destaque as informações que julgar mais relevantes para aquela situação. Veja ao final deste texto as dicas do Efetividade.net para como preencher seu modelo de currículo ideal.
  5. Seu "discurso do elevador": imagine que você encontrou no elevador o responsável pela seleção da vaga dos seus sonhos, e tem apenas o tempo do trajeto entre 10 andares para fazê-lo se interessar em chamá-lo para uma entrevista. O que você diria? Estas 2 ou 3 frases que você deve desenvolver são importantíssimas, e uma versão adaptada delas pode constar no início do seu currículo ou da carta de apresentação, podendo ser útil também nas entrevistas.
  6. Filtre os classificados: jornais e revistas publicam muitos anúncios de vagas de empregos. É um grande erro concentrar suas ações só nestes anúncios, mas você também não deve ignorá-los. Acompanhe os classificados, selecione as vagas para as quais acredita ter as aptidões necessárias, e inscreva-se nas seleções, ou envie currículo. Quando possível, cadastre seu currículo também no site das empresas que anunciaram.
  7. Não se limite aos classificados: muitas vezes as empresas recorrem aos anúncios na imprensa apenas em último caso, após já ter tentado selecionar candidatos a partir do banco de currículos já cadastrados (por isso é importante enviá-lo sempre), ou a partir de indicações de seus funcionários (está vendo a importância da sua rede de relacionamentos?), ou até mesmo em pesquisas nos bons sites de bancos de currículo. Nem sempre é o caso, mas com certeza há bem mais vagas em aberto do que aquelas que saem no jornal.
  8. A iniciativa: se você caprichou no primeiro passo, terá em mente qual o mercado e região em que deseja atuar. Com um pouco de pesquisa, você poderá identificar as empresas que atuam dentro destes parâmetros, e enviar a elas seu currículo, acompanhado de uma carta de apresentação personalizada deixando claro o tipo de vaga que tem em mente. Em empresas com políticas atualizadas de gestão de pessoas, estes currículos são bem recebidos, e seu envio revela iniciativa e informação. As empresas mantêm seus próprios bancos de talentos, e o seu currículo será incluído nele, e pesquisado a cada nova vaga que surgir.
  9. Conheça a empresa: se você estiver apenas mandando um currículo, pode não ser necessário ir além de uma pesquisa básica, mas se for avançar um pouco mais - por exemplo, ser chamado para uma entrevista ou outro procedimento seletivo - vale a pena buscar o máximo de informações sobre a empresa, para estar preparado para entender o contexto das perguntas e para escolher as melhores alternativas. Você deve buscar saber quais os seus principais produtos ou serviços, seus principais clientes, concorrentes e fornecedores, onde ela está instalada, seu porte, seu histórico, em que ela se destaca, as notícias recentes sobre ela, etc. Uma boa busca no site da empresa e em sites de jornais e revistas pode dar uma idéia geral sobre estes detalhes, mas se você quiser realmente se destacar, precisará ir mais a fundo.
  10. Em último caso...: muitas agências de emprego e sites de bancos de vagas e currículos dão a impressão de ser armadilhas ou caça-níqueis ineficazes, e provavelmente alguns são mesmo. Você não precisa começar a sua busca por elas. Mas se você está mesmo em busca, precisa respirar fundo e correr alguns riscos. Não aceite pagar nada antecipadamente, mas se as demais dicas não estiverem funcionando, você pode considerar a idéia de enviar seu currículo, sempre acompanhado de uma carta de apresentação curta e direta, e com contatos atualizados, para as agências de emprego e sites que considerar mais confiáveis. Bastante gente acaba se incomodando com eles (não tenha muita fé de que você irá conseguir remover seus dados de todos eles depois da semana grátis que costumam oferecer...), mas muitas vezes eles funcionam, isto é fato. Veja ao final deste texto as dicas do Efetividade.net para a construção do seu modelo de currículo ideal.

Casos especiais

Primeiro emprego: a maioria das empresas seleciona preferencialmente candidatos que possam demonstrar experiência nas atividades que irão desenvolver, o que dificulta a vida de quem está tentando o primeiro emprego ou mudar de área. A maneira mais efetiva de resolver esta situação, embora raramente seja uma solução imediata, é adquirindo esta experiência, trabalhando como estagiário, aprendiz, trainee ou mesmo voluntário (em uma ONG ou associação comunitária, por exemplo). Lembre-se de que há milhares de pessoas na mesma situação que você batalhando vagas no mercado - tudo o que você precisa para se destacar é ter um pouco mais de experiência do que elas, a ponto de poder ser chamado para a seleção e aí ter a chance de demonstrar o seu potencial. Aproveite também chances sazonais, como as contratações de empregados temporários no Natal ou em períodos turísticos, e empregos voltados a pessoas sem experiência, como várias categorias de operador de telemarketing, entre outras - muitos empregadores têm medo de contratar alguém que nunca esteve em um emprego formal, com chefe, metas e horários, e este tipo de trabalho acalma esta preocupação. Embora não pareça animador, a forma usual de enriquecer um currículo é bem aos poucos, não em grandes saltos.

Se você estiver acima da idade típica do seu mercado: assim como na situação acima, esta pode ser uma barreira difícil, mas não intransponível, especialmente se você tiver experiência no ramo. O essencial é estar atualizado com as práticas correntes no seu ramo, incluindo as novidades. Domínio da informática pode ser essencial - mais do que para um candidato jovem à mesma vaga. Jamais minta no currículo, mas faça o possível para enfatizar nele as suas atividades mais recentes (últimos 10 anos) e o conhecimento e experiência que você tem. Capriche na sua atitude, e esteja preparado para contra-argumentar com fatos objetivos contra quaisquer preocupações sobre sua idade que possam ser trazidas à baila em uma entrevista ou outra etapa do processo de seleção.

Leia também:

Comentar

Comentários arquivados