Linksys WRT54GC: com um access point compacto, você leva a rede sem fio na sua mochila

Redes sem fio são uma comodidade cada vez mais importante para os profissionais que precisam de mobilidade, e agora você pode levar uma na sua mochila, com um roteador/access point portátil.

Leia também: D-Link DWL-G730AP: um roteador para redes sem fio completo e pesando 50g.

A situação absurda já me aconteceu várias vezes: estar em um grupo de pessoas, cada uma com seu notebook e precisando de conexão com a Internet para completar suas atividades, mas no ambiente só há um ponto de rede disponível, então as pessoas precisam se revezar, ou então algum usuário mais empreendedor acaba montando uma rede improvisada a partir da placa sem fio de seu próprio notebook, explicando a todos os demais como fazer para ter acesso a ela, e assim cedendo uma parcela do seu poder de processamento e transformando o seu computador em um rotedor - e em um "gargalo" da rede (reboot, nem pensar!)

Outra situação chata e comum é estar em um quarto de hotel em que há ponto de rede disponível, e ter de trabalhar com o notebook naquelas mesinhas desconfortáveis porque só há cabos de rede com menos de 1m disponíveis. Já me aconteceu várias vezes, a ponto de eu achar que há alguma norma em hotéis impedindo disponibilizar cabos de rede com mais de 1,5m.


Coloquei a Bic como coadjuvante para dar a referência do tamanho

Para o segundo caso, andar com um cabo de 4m na mochila já ajuda bastante. Mas para o primeiro, a solução são os access points portáteis. Eles estão cada vez mais baratos (menos de R$ 300,00 no Submarino na data de fechamento deste artigo), e oferecem funcionalidade surpreendente para o seu tamanho.

Testes iniciais

Eu recebi para análise um roteador wireless Linksys compacto WRT54GC e confesso que não botei muita fé inicialmente, mas desde os primeiros testes ele me surpreendeu.

Aliás, o primeiro teste foi o que definiu minha experiência com este roteador. Retirei da caixa, pluguei na tomada e no cable modem, aguardei alguns segundos até o led Power parar de piscar, e pronto. Este foi o procedimento de instalação. A partir daí, bastou ligar o notebook (um HP Pavilion com Ubuntu Linux), e ao final do boot ele já estava conectado e navegando, sem precisar alterar nada. Para ter certeza de que tudo estava ok, conectei um computador desktop usado nos testes de laboratório do BR-Linux (com Windows, para o teste ser completo) com cabo a uma das portas físicas do WRT54GC, configurei para obter o endereço IP automaticamente, e ele também navegou logo na primeira tentativa.

Os testes de desempenho a curta distância foram mais do que satisfatórios: mesmo em 802.11B, com velocidade menor, em nenhum momento a velocidade disponível para o notebook conectado sem fio foi menor do que a velocidade real do cable modem ao qual o WRT54GC estava conectado. Aplicações em rede local, como jogos, impressão em rede ou transferência local de arquivos, podem obter velocidades bastante superiores, mas não realizei estes testes, por não se tratar de casos de uso típico de um access point portátil.

O acesso quando há obstáculos ou distância um pouco maior fica bem mais prejudicado, entretanto: para isto uma antena externa e maior potência de sinal fazem falta. Mas vale lembrar que este ponto de acesso sem fio foi projetado para uso em salas de reunião e quartos de hotel, e não em labirintos corporativos ou em ginásios de esporte.

Após verificar a conectividade básica, acessei a interface administrativa via web (o CD com software de configuração jamais chegou a ser tirado do envelope), com o visual e recursos típicos dos produtos das linhas de maior porte da Linksys, e experimentei as opções mais comuns: mudança de ESSID, ativação de WEP 128 bits, redirecionamento de portas para permitir acesso a jogos on-line e serviços P2P como o bittorrent e o emule, mudança da senha de administrador e vários outros. Experimentei também alguns recursos menos comuns, como a inserção de um dos computadores da rede local em uma DMZ gerenciada pelo WRT54GC, a ativação de restrições de controle de acesso por horário e por URL, e diversos outros. A interface de administração é clara e as opções estão suficientemente identificadas, deixando os recursos ao alcance de quem tenha um mínimo de conhecimento sobre configuração de rede.

Portabilidade

O primeiro aspecto importante em um equipamento cujo objetivo é ser levado na mochila é a portabilidade: formato, dimensões e peso. E neste ponto eu dou nota 10 ao WRT54GC: ele mede 9,8 x 9,8 x 2,5cm, e é menor que o meu CD player (chega a caber no bolso, embora não de forma prática), não tem pontas ou protuberâncias, e é suficientemente leve para não incomodar na mochila: 140g.

Ele vem acompanhado de uma fonte de alimentação externa, com chaveamento automático de voltagem (100 a 240V) e tomada de 2 pinos chatos - vai funcionar em qualquer quarto de hotel ou sala de reuniões do país, e funcionou bem tanto ligado diretamente na tomada 220 do laboratório, quanto usando um no-break com saída 110.

A caixa dele também inclui um terceiro componente que é vital para o acesso à Internet: um cabo de rede (de menos de 1,5m...) para conectar o aparelho a um ponto de rede do seu quarto de hotel ou sala de conferência, ou ao cable modem ou modem ADSL da sua casa.

Conectividade

O WRT54GC inclui tudo o que eu esperava de um roteador ou ponto de acesso sem fio disponível no mercado hoje:

  • desempenha com categoria a função de roteador, incluindo NAT, port forwarding, port triggering e vários recursos que raramente serão usados em um equipamento portátil, como controle de roteamento estático e dinâmico (RIP1 e 2) e DMZ Hosting (para DMZ composta por um único PC);
  • compartilha a Internet tanto com os clientes sem fio quanto com mais quatro equipamentos ligados diretamente às 4 portas locais 10/100 (auto-crossover e cascateáveis) do switch interno;
  • suporta o mais tradicional padrão sem fio 802.11B (11Mbps) e o mais recente 802.11G (54Mbps);
  • suporta WEP (64 e 128 bits), WPA/WPA2, filtro de endereços MAC, filtro de pacotes
  • inclui firewall statefull com suporte inclusive a bloqueio de URLs e restrições por horário;
  • suporta VPN pass-through (permitir conexões VPN passando atraés da firewall), com protocolos PPTP, L2TP e IPSec;
  • suporta obtenção de IP automaticamente (DHCP), e também disponibiliza este mesmo serviço para os clientes, via wireless e via switch;
  • Suporta clonagem de endereços MAC, manual ou automática, para atender requisitos de provedores e redes que exigem MAC fixo, mesmo sem necessidade ou presença de suporte contratual a esta exigência;
  • Suporta autenticação PPPoE, para o caso de conexão direta a modem ADSL que não seja também roteador;
  • suporte a DDNS (via Dyndns.org e tzo.com), para atribuir um nome de domínio dinâmico aos endereços IP utilizados por seu roteador;
  • Ferramentas de diagnóstico básicas: sistema de log interno, além de ping e traceroute embutidos na interface de administração.
  • a caixa diz que é compatível com Windows 98SE, Me, 2000 e XP, mas desde o primeiro momento pude usá-lo e administrá-lo (via interface web) em um micro com Linux.

Outros detalhes

Apesar do tamanho reduzido, o WRT54GC tem os mesmos recursos básicos de diagnóstico que seus primos maiores: leds de indicação de status e atividade das 5 portas Ethernet (4 do switch e 1 da conexão à Internet), do link wireless, e da alimentação elétrica.

A antena interna (+13 dBm) não é visível, para reduzir o número de protuberâncias e peças móveis (em favor da portabilidade), mas há um conector SMA para antena externa também.

Um dos lados do WRT54GC serve como base caso você queira mantê-lo em posição vertical. Para isto, basta girar a peça emborrachada que serve como apoio.

Ao contrário de muitos equipamentos maiores, o WRT54GC tem botão de reset - não é preciso tirá-lo da tomada para reiniciar. Para acessar o botão de reset é necessário girar a base emborrachada que serve como apoio.

Ao escolher a localização do seu access point, tenha em mente que o ideal é colocá-lo em local alto, com linha de visão desimpedida em relação aos principais locais em que haverá equipamentos conectados a ele sem fio, e o mais próximo possível do centro da área que se procura cobrir.

Se você é usuário avançado ou não deseja usar o CD com software assistente de administração e configuração que acompanha o equipamento, pode usar a excelente interface de administração via web. Se a configuração nunca tiver sido alterada, você precisa conectar seu micro ao WRT54GC via cabo de rede físico, e acessar o endereço http://192.168.1.1/ em seu navegador. Quando o sistema pedir para que você se identifique, deixe o login em branco, e informe a senha admin

Conclusão

Após concluir os testes, minha opinião é de que o roteador wireless Linksys compacto WRT54GC é uma peça importante para complementar o kit do profissional móvel, e também uma boa aquisição para organizações que frequentemente precisam prover acesso sem fio em ambientes diversos (salas de aula, auditórios, etc.), não apenas porque é leve, fácil de armazenar e de transportar, mas principalmente porque passou no "teste da tomada": bastou remover o celofane da caixa, plugar na tomada e no cable modem, e ele já estava funcionando e provendo seu serviço básico, sem absolutamente nenhuma configuração.

O peso inferior a 200g e as dimensões pouco maiores que as de um maço de cigarros também são pontos fortíssimos a favor deste roteador sem fio, assim como os recursos de rede importantes para usuários finais, como o port forwarding/triggering e os filtros de acesso.

Para ser ainda mais perfeito, faltou existir uma versão que pudesse obter sua alimentação elétrica a partir de uma porta USB, para poder funcionar alimentado pela própria bateria do notebook onde não houver tomadas suficientes, e ter um pouco mais de RAM e memória flash, de modo a tornar possível substituir o firmware padrão dele pelo OpenWRT. Se bem que dificilmente um roteador portátil vai precisar de algum dos recursos extras do firmware livre... Outro ponto negativo é o preço no Brasil, embora esta parte não seja culpa nem dos fabricantes nem dos vendedores. Ainda assim, nos EUA você compra este equipamento por menos de 50 dólares.

Se você viaja bastante com notebook, é definitivamente um acessório interessante para incluir na mochila!

Leia também: D-Link DWL-G730AP: um roteador para redes sem fio completo e pesando 50g.

Para saber mais

Observação importante: Se configurações de rede local não são uma arte que você domina, e se você acredita que ler o manual técnico do equipamento pode não ser suficiente para que você o coloque em funcionamento, identifique desde já um amigo com pendores tecnológicos e convide-o para um churrasco na sua casa exatamente no dia em que o roteador chegar!

Comentar

Comentários arquivados